FOUR TET AO VIVO SEMPRE FODÃO

Show do Four Tet na íntegra. É aquilo: ele é provavelmente um dos maiores produtores da história da dance music, com um senso de beleza e melodia poucas vezes visto.

Para esse show especificamente rolou uma iluminação especial feita pela trupe Squid Soup. O Boiler Room exibiu ao vivo há umas semanas e agora finalmente publicou para quem não conseguiu assistir à transmissão. Aumenta o som, joga na tela cheia e vai ser feliz.

 

Anúncios

ROBERT HOOD CALADO É UM POETA

Níveis altíssimos de pelassaquice nessa entrevista do Robert Hood para a Thump. Veja como o produtor, um dos fundadores do Underground Resistance, nome fundamental do techno de todos os tempos e, mais recentemente, um pastor ordenado e religioso fervoroso, se acha uma pessoa ungida. Pincei alguns trechos:

Robert-Hood

“Deus literalmente me acordou do meu sono e disse: ‘Quero que você inclua a mensagem gospel na sua música'”

“Basicamente, quero comunicar esse espírito e minha relação com Cristo por meio da minha música. Planejava isso há algum tempo, mas desta vez, Deus deixou claro: quero que você espalhe a mensagem. Comecei a me questionar e a questionar Deus e disse: ‘Bem, como as pessoas vão encarar isso?’, e Deus disse: ‘Não se preocupe com isso’.”

“Eu sou um mensageiro de luz, é isso o que eu sou. E é minha função levar essa luz, carregá-la e espalhá-la pelo mundo. Deus me permitiu ser um reflexo do seu amor e me permitiu refletir a sua luz para o mundo, para que as pessoas recebam a sua mensagem”.

A mais legal vem agora:

“Muitas pessoas não leem a Bíblia, não vão à igreja, então cabe a mim ser uma espécie de Bíblia que elas possam ler, sem que eu precise dizer uma palavra. Elas podem sentir minha presença, ou melhor, a presença de Deus, através de mim, e refletir sobre isso”.

A entrevista foi motivada pela força e beleza de ‘We magnify His name’, a música cheia de coral gospel, piano e good vibes que Hood lançou em 2011 sob a alcunha de Floorplan, e que é realmente espetacular, emocionante, foda-pra-caralho, lágrimas-na-pista.

(O single é um dos melhores exemplos da presença cada vez maior de gospel nos sets recentes de Hood/Floorplan. E todos adoramos a cantoria dos corais de igrejas misturados com o beat da house music, deixo claro).

Porém… Depois de ler tudo isso, duas pensatas: o indivíduo tem que se achar muito especial mesmo (e de fato ser um péla-saco) para afirmar que é um emissário divino e se tornou o contato de Deus com o resto do mundo.

Outra: é muita pretensão alguém religioso e ‘convertido’ achar que o resto do mundo precisa ser ‘salvo’. Quem é que determina quem está ‘salvo’ ou ‘amaldiçoado’? Vem embutida aí uma certeza de superioridade por conta de um suposto contato, visão, epifania com algo etéreo. Enquanto ele acha que teve uma revelação e estufa o peito se vangloriando, tem gente que acha que ele é simplesmente um maluco.

Nota mental: nunca mais ler o que Robert Hood fala, apenas ouvir sua música.

O SET B2B DO VAN HELDEN COM O JACKMASTER É E-S-P-E-T-A-C-U-L-A-R

Quem diria! A junção do veterano Armand van Helden com o Jackmaster resultou num dos sets mais legais e divertidos que o Boiler Room já transmitiu. Posso estar me precipitando, mas tem cara de top 10 da história do site.

House festeiro, soulful, de graves gordos e nenhum carão – um antídoto perfeito para aquele deep housezinho esmaecido que muito selo anda lançando por aí.

O tracklist é uma coletânea muito bem pinçada com praticamente todos os party jams da house desde sempre. Tem ‘French Kiss’ do Lil Louis, Inner City, Cajmere, Daft Punk, ‘The Funk Phenomena’, um resgate muito adequado de ‘Once Bitten’ do TC Crew, e de ‘Can you feel it’ do CLS. Além de edits, remixes e produções do próprio Van Helden espalhados pelo mix (‘You don’t know me’, com o povo cantando junto, sendo a melhor delas).

É impossível ficar indiferente quando, aos 28min, entra o baixo de ‘Sugar is sweeter’ do CJ Bolland. A reação do público é tão barulhenta, mas tão barulhenta, que o Jackmaster manda um rewind e solta o grave novamente.

É uma festa na melhor tradição hedonista que os DJs de NY (Van Helden é de lá) e Chicago sempre souberam fazer. A gritaria na pista a cada virada é de arrepiar. Queria ter estado lá.

jackvanhelden_

DERRICK CARTER EM CHICAGO

Finalmente o Boiler Room subiu o set do Derrick Carter em Chicago – esse rolou dentro do evento em homenagem ao Frankie Knuckles.

O próprio está conversando com a galera nos comentários, dizendo que música é essa ou aquela. Ele é o usuário Boompty. =D

O áudio está meio ruim, uma pena, mas dá pro gasto. Pelo menos o suficiente para lembrar do set ESPETCULAR que Mr. Carter fez no Rio recentemente, dentro da festa RARA.

Derrick Carter - Performance

NILS FRAHM EM QUATRO TEMPOS

Conheci Nils Frahm ao assistir a uma apresentação dele no Mutek Montreal 2013 via Boiler Room. De cara fiquei chapado com aquelas camadas de pianos, teclados e sintetizadores carregados por melodias lindas, tristes, inesquecíveis.

nils_frahm_piano

O pianista tem formação clássica e ao vivo brinca com frequências e repetições, criando ecos e climão. Não é música de pista, está mais próximo de um concerto de música clássica.

Abaixo rolam quatro momentos recentes importantes que dão um panorama sobre a trajetória do alemão até aqui. Em comum a todas elas: uma absoluta entrega mental e física, a intensidade descontrolada, o suor na testa, o cenho franzido.

Mutek Montreal 2013 – Show no palco da Red Bull Music Academy durante a edição do ano passado. Pouco mais de 30 minutos e uma das apresentações mais comentadas do evento.

 

Dimensions Festival 2014 – Fazendo parte do espetacular line up da prestigiosa noite de abertura, ao lado de Caribou e Moodyman, Nils tocou por cerca de 40 minutos num anfiteatro romano de mais de 2000 anos. Emoção com cenário (clica na foto).

nils-frahm-1

 

O álbum ‘Spaces’ – Lançado em 2013, reúne os grandes momentos das apresentações do músico. ‘Says’ é a grande estrela.

nils-frahm-spaces-large

 

As duas músicas novas para o Resident Advisor – Há algumas semanas, de passagem por Londres, Frahm tocou duas músicas novas – ‘All Melody’ e ‘#2’ – no estúdio do RA, que filmou e publicou dentro da série RA Films. ‘All Melody’ já entra para a lista das grandes músicas de 2014.