QUEM É QUEM NO DEKMANTEL SÃO PAULO

Vai aí embaixo o texto que fiz pra galera do Pulso sobre a primeira edição do Dekmantel no Brasil, que rola em São Paulo nos dias 4 e 5 de fevereiro. Cai dentro!

> > >

A melhor notícia de 2016 foi que em 2017 teríamos a primeira edição do Dekmantel Festival no Brasil.

O evento-mãe, que rola em Amsterdam e chegou à sua quarta edição em 2016, já é considerado um dos mais conceituados festivais de música eletrônica do mundo porque vem conseguindo aliar um line-up variado e respeitadíssimo, local impecável (um parque com muito verde nos arredores de Amsterdam), clima intimista (lotação total: não ultrapassa 10 mil pessoas) e conforto para o público (sem filas nos bares! Banheiros limpos e sem perrengue!). Fiz um review pro Pulso, confere lá.

Portanto, é com muita ansiedade e expectativa que espero a chegada do Dekmantel ao Brasil. Tá com cara de que vai ser fodão. Abaixo vai um guia do que é imperdível no line-up entre as atrações gringas. Semana que vem rola um pente-fino nos nomes brasileiros.

Vem comigo! =D

Nicolas Jaar – É a principal atração da edição brasileira. Vai apresentar no festival seu live novo, baseado em ‘Sirens’, seu EX CE LEN TE álbum lançado no ano passado.

nicolasjaar

Lena Willikens – Fez o melhor set (pra mim) da edição do Dekmantel em Amsterdam: estranho, percussivo, um pé no techno, outro no electro, com ares vintage. E sem perder a pista de vista, com domínio técnico impressionante. Estou sedento por tudo isso de novo. Não perco por nada.

lena_willikens

Moodymann – Outro gigante dessa edição. Dono de clássicos da house e do techno, traz toda a história de Detroit nos ombros. Tem cara de que vai promover um bailão black com muito funk, disco e house. E, como de costume (tomara!), vodka para a galera da primeira fila. O problema é o seguinte: o horário dele bate com o da Lena Willikens. Infelizmente é isso: mesmo horário. Fudeu, não sei o que fazer.

moodymann-dekmantel-by-bart-heemskerk

John Talabot – Se fizer um set melódico, cheio de texturas e samples vocais como os das duas produções em estúdio, pode ser o grande nome do evento.

talabot

Jeff Mills – Nome fundamental do techno, inovou onde foi possível e influenciou meio mundo. Respeito muito. Quem nunca viu, vale ver. Mas confesso que, apesar de toda sua importância, os sets de Mills são praticamente os mesmos há tempos: techno de 134 bpm com ‘The Bells’ salpicada ali no meio, tudo acelerado e flat, sem grandes variações.

Ben UFO vs Joy Orbison – A dupla vai repetir a dobradinha que vem fazendo há algum tempo. O back-to-back deles na edição de Amsterdam foi um dos melhores do festival.

Nina Kraviz – Diva polêmica, vem trazendo na bagagem um set de techno pesadinho (se repetir a performance que fez no Dekmantel Amsterdam em agosto passado) e muitos elogios ao volume 91 da série Fabric, mixado por ela e que entrou em quase todas as listas de melhores de 2016.

nina-kraviz

Ben Klock – Dos nomes mais populares desta edição, vai encerrar o Main Stage no sábado à noite. É lenha!

Kornél Kovács – Um dos destaques da música eletrônica em 2016 com o disco ‘The Bells’. Nunca vi fazendo DJ set, mas levo fé.

kornel-kovacs

Hunee – Faz parte da gangue holandesa do evento (o Dekmantel foi concebido e criado por um grupo de amigos holandeses e sempre traz em seus line-ups uma quantidade considerável de nomes da cena holandesa) e tem um álbum muito, muito, muito bom no currículo lançado pela Rush Hour: ‘Hunch Music’.

hunee

Makam – Da trupe holandesa, talvez seja o que mais me agrada. Tem um pé (mas não muito) na estranheza que me agrada muito. Olha que maravilha é ‘What ya doin’’. Ou ‘Girls Night’

dj-makam

Palms Trax – Também da trupe holandesa, sempre recheia seus sets com bastante groove, deixando o clima sempre animado, pra cima.

Tom Trago – Nome importante da cena em Amsterdam, sempre arrasta muita gente em seus sets. Pode ir da disco ao techno, por exemplo. É um nome que vale ficar atento.

Helena Hauff – Injetou sangue novo na cena techno em 2015 com o álbum ‘Discreet Desires’. Fez um back-to-back com Ben UFO no Sonar Barcelona 2016. Se mantiver o mesmo clima, é paulada na orelha sem dó.

hellenahauff

Awesome Tapes From Africa – Começou como um selo, hoje é também a alcunha do DJ, produtor, colecionador e o escambau Brian Shimkovitz. Como o nome sugere, beats fora do eixo house/techno usual.

Fatima Yamaha – Ouvir ‘What’s a girl to do’ ao vivo é realmente um momento bacana.

Orpheu The Wizard – Idealizador da Red Light Radio, tem uma bagagem musical que impressiona. O set que vi dele lá em Amsterdam, ainda de dia, quase enfiado no meio de uma floresta, foi elegante e cheio de groove. Olho nele.

orpheu

Já estou me alongando demais. Poderia me estender infinitamente e falar do line-up inteiro, uma vez que uma seleção dessas é para entrar para a História dos festivais de música eletrônica já feitos no Brasil.

Vai de cabeça aberta e experimenta o que conseguir, tem muito mais coisa bacana: Solar, Anthony Parasole, Call Super, Sassy J, Joey Anderson…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s