RIVERS CUOMO, FICA QUIETINHO

Quem nasceu pra Rivers Cuomo não chega a Thom Yorke.

Até que essa versão inédita do Weezer para ‘Paranoid Android’, do Radiohead, teria ficado legal não fosse a performance sofrível de Rivers Cuomo, se esgoelaaaaaaando pra conseguir cantar. Chega a ser engraçado.

Anúncios

HITS DO TAMBATOWERS (os da semana, pelo menos)

CAGE THE ELEPHANT – SHAKE ME DOWN

É o campeão no TambaTowers, hit absoluto! Visual grunge, um baixo que ronca e guitarra, muita guitarra distorcida. Show incendiário no Coachella.

> > >

JAMES BLAKE – LINDISFARNE

Não precisa falar muito mais, né? Clipe estranhíssimo.

> > >

FOSTER THE PEOPLE – HOUDINI e PUMPED UP KICKS

Bandinha cheia de groove, melodias assobiáveis e bem dançantezinha. Vai te deixar feliz.

> > >

EDWARD SHARPE & THE MAGNETIC ZEROS – 40 DAY DREAM

Palminhas e arranjo de cordas, não tinha como dar errado. Alô, Banda Mais Chata da Humanidade, isso aqui é legal!

> > >

FRANCIS AND THE LIGHTS – FOR DAYS

Edward Mãos de Tesoura + Lionel Ritchie + Phil Collins.

É sério.

> > >

SOUL CLAP – LONELY C

House de altíssima qualidade, vocal distorcidinho na medida e muita elegância.

THE BRANDT BRAUER FRICK ENSEMBLE

O trio Brandt Brauer Frick  é um dos headliners do Sónar Dia esse ano e vai levar toda o seu Ensemble ‘erudito’ para o show. Isso quer dizer que vai ter harpa, tuba, baixo acústico, xilofone gigante. É dance music tocada basicamente com instrumentos acústicos.

Tudo isso em cima de uma batida 4 x 4 bem alemã. O resultado é uma mistura saudável, original e absolutamente inusitada de todos esses elementos, com um pé na improvisação jazzística.

Sente o drama do que vai rolar no Sónar:

E olha que clipe legal pro single ‘Caffeine’!

TRATADO DE ANTROPOLOGIA

Existe apenas uma coisa pior que um punk velho – é o hippie moderno afogado em nostalgia de uma época que não viveu.

Tudo que a gente não precisa é desse bom-mocismo.
Ainda haveria alguma salvação se eles fossem os hippies sequelados, drogados, sexuais. Mas não é o caso.
Eles são ripongas certinhos, caretinhas, muito do bem demais.

Quem deixou essas pessoas escaparem do sarau da faculdade?

ROBAG WRUHME VOA SOLO

O fim dos Wighnomy Brothers não foi suficiente para fazer o maluco Robag Wruhme parar.

Lançado em janeiro pela importantíssima Kompakt, o mix album – tome fôlego – ‘Wuppdeckmischmampflow’ é uma belezura, com momentos bem porradas, mas sempre com uma dose de melancolia nos teclados. E um detalhe: quase todas as tracks têm mais de uma música mixada, às vezes até três. O moço não é bobo.

E essa semana acaba de sair ‘Thora Vukk’, primeiro álbum ‘cheio’ do produtor alemão. Mantém o nível e é bastante coerente com os sets inusitados que, à epoca dos Wighnomy Brothers, fizeram a felicidade de muita gente nas noites de Berlim.

Dá pra ouvir o ‘Thora Vukk’ no site da gravadora. E ainda tem um podcast de Robag no site do Resident Advisor.